Em meio ao caos, um porto

Ao meu ver, a vida é como o mar. Cada um de nós está em um barco, navegando pelo mundo. Quando chegamos a novos pontos ou alcançamos objetivos, esses são portos que alcançamos. Muitas vezes encontramos outras pessoas no caminho; dividimos barcos, trocamos ou simplesmente navegamos lado a lado. Alguns vão até o fim sozinhos, enquanto outros navegam acompanhados. O ponto final? Um farol.

Assim como as águas do mar, é impossível ter certeza de que sempre teremos calmaria. Muitas vezes acabamos por nos deparar com fortes tempestades, e nossa única possibilidade é ajustar o navio para que ele siga em frente.

Ao contrário do que a maioria pensa, quando fala em tempestades não digo somente em relação a acontecimentos em nossas vidas. Também me refiro ao nosso lado mental: angústias, dores e até mesmo cobranças. Afinal, cada um de nós temos a capacidade de criar verdadeiros dramas em nossa mente.

Espera-se que com o passar do tempo, nos tornemos melhores na arte de velejar. Na verdade acredito que o oposto ocorre. Ficamos tão acostumados que deixamos de tomar cuidado na forma de manusear nosso barco, e a vida começa a tomar conta de nós.

Ultimamente tenho vivido em meio a uma tempestade. Eu a criei, obviamente, e continuo a torná-la pior. Ainda que por fora eu esteja lidando bem, por dentro sou um misto de medo e perguntas, e em uma tentativa de me manter acima das águas caudalosas, escrevo.

Encontrei na escrita e nos meus livros um porto. Infelizmente não é muito seguro, mas tem muito a oferecer. Os mundos, os lugares… tudo parece melhor e menos tenso. Sei que isso é na verdade minha forma de fugir dos problemas, mas quando sua mente vagueia tanto a sempre parar no pior, é o mínimo que posso fazer. Parei em um porto e nele fiquei.

Atualmente ainda me encontro nele. Fico parada, olhando o mar que se abre para mim e pergunta quando voltarei. Vez ou outra eu vejo navios ao fundo, cada qual me lançando sinais de vida, tentando me convencer a zarpar. Em algum momento vou precisar largar tudo isso, de qualquer forma.

Olho para as águas e respiro fundo. Está na hora de ir, mas não estou pronta ainda. A tempestade voltará assim que eu pisar no barco.

Ainda não estou pronta para isso.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s